Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

à nora com a sogra

Um blog sobre histórias de família em geral e mães de maridos em particular. Ou um registo terapêutico de episódios reais que mais parecem ficção.

As autoras:

Arquivo:

Mais do mesmo... Ou não!

Há sogras que tiram uma pessoa do sério, que enervam de tal forma, que passado um tempo a reacção à sua voz, ou à ideia da sua presença causa mal estar, mental e até físico. Eu era uma dessas pessoas, só a ideia da minha sogra telefonar ao filho transtornava-me. 

Esta é para as moças a quem as sogras ainda dão cabo dos nervos: há esperança.

Ontem o Homem chegou a casa e disse-me que tinha estado a falar com o pai (o marido número 1 da sogra). Não estando para aqui a divagar sobre a conversa, porque no fundo não interessa nada, diz que um dia destes, numa ocasião social, o meu sogro confrontou a ex-mulher e disse-lhe para ela parar de falar mal de nós a toda a gente. O relato foi acompanhado por uma breve descrição da reacção da minha estimada sogra.

Ora atentem...

No ido ano de 2009, por exemplo, a Criatura que vos escreve era pessoa para ficar com dores de estômago ao ouvir esta história. Depois, quando o cérebro assimilava a informação, aparecia a sensação de formigueiro debaixo da pele, a revolta pela injustiça de mais uma vez, esta mulher horrenda andar a falar de nós, a espalhar mentiras e a corroer-nos a vida. E o mau estar, a inquietação por não compreender, por não conseguir perceber o porquê deste ódio de estimação, desta necessidade patológica de destruir. E no final, pagava o justo pelo pecador, porque esta Criatura que vos escreve não é de ferro e acabava aos berros com quem não tinha nada a ver com o assunto, como o Homem, coitado, que só teve a má sorte de ter sido parido por uma mãe assim. E se pensam que isto era coisa que passava em horas, ou num dia vá, digo-vos já que não era. É que a seguir, a probabilidade da sogra telefonar com falinhas mansas e três toneladas de hipocrisia era alta. Era um ciclo vicioso, sempre o mesmo, sempre o mesmo, sempre o mesmo.

Em 2014, depois de anos de afastamento físico e muito crescimento pessoal, a reacção desta Criatura que vos escreve foi radicalmente diferente, ora sigam o meu raciocínio: a minha sogra anda a falar mal de nós, fixe, e mais novidades? Ah! A minha sogra, depois de para ai 5 anos sem nos por a vista em cima continua a falar mal de nós, puxa que é criativa, sempre gostava de saber onde é que ela vai buscar assunto... Espera, devia começar a jogar no Euromilhões, parece-me que tenho uma certa tendência para adivinhar o futuro, é que eu até já tinha previsto este cenário. Ups, mas e o mais importante, o mais importante não é isso... O meu sogro confrontou a minha sogra e a minha sogra passou-se, não que me tenham contado detalhes, mas a minha experiência no assunto faz-me logo ver o filme todo. O meu sogro confrontou a bruxa e a bruxa passou-se. Ahhh! Um granda hi-five para o meu sogro que a fez descabelar-se! All hail o meu sogro, é o maior!!! 

E de seguida a vida continuou, com sorrisos e pizzas na varanda, que isso de gastar tempo com quem não interessa é coisa do passado. É uma questão de atitude, de ajustar as nossas próprias expectativas. Antigamente EU queria perceber o porquê da minha sogra andar sempre a falar de nós, EU queria que ela parasse. Mas EU não posso mudar os outros, só me posso mudar a mim. E foi o que fiz. A minha sogra vai falar mal de nós eternamente, ela sempre foi e vai continuar a ser má, a diferença é que agora EU me estou nas tintas para isso.

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

As autoras:

Arquivo: